UFG divulga nota de repúdio à violência contra estudante durante manifestações
Mateus Ferreira da Silva, de 32 anos, está internando no HUGO com traumatismo cranioencefálico e múltiplas fraturas.

A Universidade Federal de Goiás (UFG) divulgou nota oficial na manhã deste sábado, em que repudia a violência cometida por um policial militar contra o estudante do curso de Ciências Sociais da instituição, Mateus Ferreira da Silva, de 32 anos, ferido na cabeça por um cassetete durante os protestos desta sexta-feira (28), em Goiânia. Mateus respira com a ajuda de aparelhos e está internado em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO). Ele apresenta quadro de traumatismo cranioencefálico (TCE) e múltiplas fraturas.

Inicialmente, a Polícia Militar se defendeu afirmando que o estudante havia sido atingido em meio à confusão pelos próprios manifestantes. Entretanto, vídeos e fotos comprovaram que o jovem foi agredido de fato, pelo policial. A confusão aconteceu na Praça do Bandeirante, no cruzamento das avenidas Goiás e Anhanguera, no momento em que um grupo de manifestantes juntou bandeiras para fazer uma fogueira e, ao serem reprimidos, quebraram vidros de uma agência bancária.

Leia a seguir, a nota oficial da instituição:

A Universidade Federal de Goiás (UFG) repudia a violência sofrida pelo estudante de Ciências Sociais desta instituição, Mateus Ferreira da Silva, agredido por um policial militar durante manifestação no centro de Goiânia nesta sexta-feira (28/4). A UFG é histórica defensora do direito à livre manifestação e condena com veemência atos de repressão que venham a cercear esse princípio democrático.

O reitor da UFG, Orlando Amaral, irá cobrar da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária a adequada apuração dos fatos e a punição dos responsáveis. A SSPAP informou que já foi instaurado um procedimento para investigar a atuação dos policiais militares que estavam envolvidos direta ou indiretamente na agressão.

A UFG também acompanha o atendimento ao estudante Mateus Ferreira da Silva no Hospital de Urgências de Goiânia, onde está internado em estado grave. Mateus teve traumatismo cranioencefálico e múltiplas fraturas.

A UFG reitera que defende a legitimidade de manifestações pacíficas como um direito irrestrito de toda a população e, sobretudo, da comunidade universitária, na luta por uma sociedade mais justa e democrática.

Fonte : Ascom/UFG

POSIÇÃO DA SSPAP

Em texto publicado no portal Goiás Agora, a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSPAP) disse que condena veementemente a atitude do Policial Militar. O texto afirma: “Tais agressões não condizem com as tradições e o legado histórico da Polícia Militar de Goiás, que tem uma trajetória de grandes serviços prestados à sociedade e ao estado.”

De acordo com o conteúdo, “a SSPAP não compactua com esses atos que ferem a ética da corporação e das demais forças que compõem a Segurança Pública, cuja missão é proteger vidas e jamais atentar contra qualquer cidadão. As livres manifestações, desde que pacíficas e ordeiras, são um direito constitucional e legítimo de todos os brasileiros e devem ser respeitadas e preservadas por todos.” E reforçou que, “uma vez comprovada a autoria, será rigorosa na punição administrativa e no encaminhamento para a esfera judiciária, até para demonstrar cabalmente a sua contraposição aos desvios e o seu apoio à imensa maioria dos policiais que atua com correção moral e autocontrole.”

agressao-mateus-ferreira-da-silva
Imagens de vídeo e fotos contradisseram a versão inicial dada pela PM de confronto entre os próprios manifestantes e mostraram o estudante sendo agredido pelo policial. Em seguida, detalhe de Mateus Ferreira da Silva já ferido, aguardando socorro no local. Foto: reprodução/Facebook.

Foto de capa: reprodução/Twitter.

Redação

Revista Factual

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *