Pesquisadores da UFG desenvolvem método para controle biológico de Aedes aegypti

Pesquisa é fruto de anos de trabalho dedicados ao estudo de fungos entomopatogênicos para controle de artrópodes nocivos à saúde humana

0
controle biológico de Aedes aegypti, pesquisadores da UFG, UFG, Universidade Federal de Goiás, Aedes aegypti
Foto: divulgação

Nos últimos anos, os pesquisadores do Laboratório de Patologia de Invertebrados do Instituto de Patologia Tropical e Saúde Pública (LPI/IPTSP) da Universidade Federal de Goiás (UFG) têm dedicado sua atenção ao Aedes aegypti, transmissor principal dos vírus da dengue, zika e chikungunya.

Com resultados promissores, o grupo liderado pelo professor Wolf Christian Luz desenvolveu formulações granulares que carregam conídios e microescleródios do fungo Metarhizium humberi. Os microescleródios, que são estruturas resistentes com reservas nutritivas, produzem novos conídios deste fungo, que é capaz de infectar e causar a morte de adultos, larvas e ovos desse mosquito.

O mosquito é atraído para um dispositivo por causa da sua semelhança com um criadouro ou local de descanso. No dispositivo, o mosquito tem contato com o tecido que contém grânulos com fungo. Nesses grânulos, há microescleródios que, em ambientes com umidade elevada, produzem conídios, que são infectantes para os mosquitos. “Resultados dos nossos estudos mostram a importância da umidade elevada para produção de conídios. A formulação é aplicada dentro dos dispositivos, que não são armadilhas pois os mosquitos não ficam presos: entram, ficam contaminados e saem”. A ideia seria esse dispositivo ficar em áreas peridomiciliares onde ocorre esse mosquito.

Durante a pesquisa, foram realizados testes com dois tipos de composição de veículos para grânulos ou pellets com microescleródios de Metarhizium humberi: um dos formulados foi feito com celulose microcristalina e terra diatomácea e o outro com uma combinação de vermiculita, terra diatomácea e dióxido de silício. Os pellets são grânulos também, mas passaram por um processo chamado esferonização.

Resultados

Os resultados mostraram que a segunda formulação com vermiculita como veículo principal foi mais promissora do que a primeira. “O melhor rendimento de conídios nos grânulos e pellets preparados com vermiculita nos testes é provavelmente devido à maior porosidade do grânulo e pellet contendo vermiculita (comparado com celulose microcristalina) providenciando um substrato melhor para a produção de conídios”, explica o professor.

Os dados da pesquisa que demonstram a importância da umidade relativa do ar para a produção de conídios sobre os grânulos e a eficácia da formulação granulada para controle biológico de Aedes aegypti fazem parte de artigos publicados em 2021 na revista Applied Microbiology and Biotechnology.

O pesquisador explica que “os microescleródios precisam de condições de umidade elevada para produzir micélio e conídios na superfície dos grânulos. O estudo sobre o efeito da umidade no desenvolvimento de Metarhizium humberi nos grânulos e pellets foi uma etapa importante do processo. Sem esses conídios, a formulação preparada com microescleródios não afeta os mosquitos”.

De acordo com o professor, Metarhizium humberi é uma espécie nova e foi isolado pela primeira vez em 2001 pelo grupo liderado pelo professor Christian a partir de amostras de solo coletadas no Cerrado. “A linhagem Metarhizium humberi IP 46 utilizada na nossa pesquisa já foi estudada intensamente em Aedes aegypti em condições de laboratório e apresenta atividade inseticida em ovos, larvas e adultos desse vetor.

Objetivo e etapas

O objetivo dos estudos em andamento é melhorar a atividade do fungo através de métodos de produção, formulação e aplicação de fungos para controle do Aedes aegypti“, esclarece Christian.

Até o momento, já foram realizadas três etapas da pesquisa: estudos in vitro com preparações diferentes de formulação granulada para melhoramento da produção de conídios sobre os grânulos ou pellets após a aplicação; estudos em condições de laboratório com adultos de Aedes aegypti; e estudos em condições de semi-campo e de campo com um dispositivo protótipo e grânulos para controle de Aedes aegypti.

Os passos seguintes consistem, entre outros, em estudos sobre o melhoramento de formulações e métodos de aplicação, o comportamento de adultos de Aedes aegypti, métodos sobre a detecção de IP 46 para o monitoramento do efeito de aplicação e dispersão do fungo em condições de semi-campo e de campo.

Os experimentos foram realizados em laboratório sob condições controladas, mas o professor já vislumbra bons resultados nas próximas etapas da pesquisa. “Fizemos testes de semi-campo e de campo com um dispositivo desenvolvido por nosso grupo utilizando uma formulação granulada desse fungo numa pequena cidade perto de Goiânia para controle do Aedes aegypti. Os resultados são promissores”, exalta.

Na UFG, os estudos são concentrados no LPI/IPTSP em colaboração com o Laboratório de Nanosistemas e Dispositivos de Liberação de Fármacos (NanoSYS) da Faculdade de Farmácia, e a participação de alunos de graduação e de pós-graduação. O projeto, que foi apoiado na Chamada MCTI-CNPq/ MEC-CAPES/ MS-Decit Nº 14/2016, Prevenção e Combate ao vírus zika, conta ainda com a colaboração de um pesquisador da Embrapa Meio Ambiente e de um pesquisador do Robert W Holley Center for Agriculture and Health, USDA, EUA. Os dois contribuíram em discussões durante a elaboração e execução do projeto.

Recomende este conteúdo aos seus amigos nas redes sociais e acompanhe a Factual no FacebookTwitter e Instagram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui