DIGO 2021: com temática sobre a Mulher LGBTI+ no Cinema, festival começa nesta quinta-feira (3)

Acesso ao evento é gratuito. Filmes serão exibidos pelo site e as demais atrações pelo Facebook

0
DIGO 2021, Festival Internacional de Cinema da Diversidade Sexual e de Gênero de Goiás, DIGO, LGBTI+ no Cinema, mulher LGBTI+ no Cinema
'Café com Rebu', direção de Danny Barbosa, uma das produções do DIGO 2021. Foto: divulgação

Começa nesta quinta-feira (3) o Festival Internacional de Cinema da Diversidade Sexual e de Gênero de Goiás (DIGO). A programação do evento conta com a exibição de longas, curtas metragens, bate-papos, workshop, webinars, espetáculos teatrais e exposição artística – esta última presencial e online.

Os filmes serão exibidos pelo site digofestival.com.br e as demais atrações pelo Facebook. O acesso ao festival, que tem o apoio da Lei Municipal de Incentivo da Cultura, é gratuito.

Entre os dias 3 e 9 de junho, o público poderá conferir os 41 filmes selecionados pela curadoria. São cinco mostras competitivas: Nacional, Mulheres LGBTI+ no cinema, A pandemia é Política, Internacional e Longas Metragens. Além de uma mostra não competitiva com sete filmes premiados pela distribuidora The Open Reel.

Os melhores filmes escolhidos pelo júri e público receberão o troféu DIGO e prêmios de parceiros. O voto do público ocorre até o dia 8 de junho e a data da premiação será 9 de junho, último dia de festival, às 19 horas. Além da exibição no site do festival, a plataforma Cinebrac disponibilizará uma mostra especial com filmes do 6º DIGO, durante todo o mês de junho. A exibição será gratuita e ainda premiará o melhor filme na visão do público.

“Realizar mais uma edição do DIGO está sendo um desafio, em meio ao caos que estamos vivendo tanto político, social e humanitário. Compreendemos a necessidade de levar arte e alento para as pessoas”, diz o diretor do festival, Cristiano Sousa.

Segundo Cristiano, a grande novidade desta edição são os webinars. Serão oito aulões com professores e ativistas de renome nacional, que ministraram aulas sobre politização LGBTI+. “O objetivo é contribuir para o poder de fala e de rebate a ignorância e ao fascismo. Com foco em assuntos pertinentes a todo brasileiro, que deseja aprender e compreender as diversas necessidades da sociedade. Humanização, empatia e amor ao próximo são alguns dos temas tratados”, explica.

Workshop

‘Documentando com Marlom Meirelles’ é o nome do Workshop que tem por objetivo promover uma discussão sobre narrativas documentais e representatividade LGBTI+. O evento ocorrerá de forma online pela plataforma Zoom, na sexta (4), às 19 horas. Serão 30 vagas para interessados em audiovisual a partir de 16 anos. Não é necessário ter experiências prévias e haverá uma prioridade para pessoas trans.

Marlom Meirelles é coordenador e também professor dos projetos Documentando e Mídias Móveis, oficinas temáticas de iniciação audiovisual. Fotógrafo com experiência internacional e dois prêmios Pernambuco Nação Cultural. Orientou e co-dirigiu mais de 70 documentários, muitos deles premiados e exibidos em festivais de cinema.

Encontros e teatro

O DIGO 2021 também contará com dois encontros importantes entre realizadores e produtores. O primeiro é o III Encontro de Festivais de Cinema e Mostras LGBTI+ do Brasil, no sábado (5) às 15 horas. O segundo é o I Encontro de Festivais LGBTI+ da América Latina e Caribe, no domingo (6), a partir das 17 horas. Ambos serão transmitidos ao vivo pelo Facebook do DIGO.

No sábado, às 19 horas, o público do festival poderá conferir ‘VerbOverdose’ com Rodrigo Rosado. O espetáculo com duração de 25 minutos trata-se de uma leitura dramática pensada para o formato virtual. É um experimento baseado no conto ‘O Homem da cabeça de papelão’ de João do Rio, escrito em 1910 e relatos pessoais do processo de aceitação de ser gay em uma sociedade machista.

‘Porco Espinho’ é um monólogo interpretado por Fábia Mirassos. A atriz, em pesquisa sobre a solidão da travesti, debruçou-se sobre a metáfora do filósofo Arthur Schopenhauer para explorar os dilemas afetivos da convivência humana. Escrita pelo dramaturgo Marcelo Oriani, a peça metragem tem a duração de 32 minutos e será exibida no domingo, às 21 horas. As duas peças serão transmitidas pelo Facebook do festival.

Exposição Presencial & Online

‘Performatividades Drag: as cores e a força da arte’ de Chris, The Red e Solange Amarilla poderá ser vista na Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Políticas Afirmativas de Goiânia, de segunda a sexta – em horário comercial de 8 às 18 horas. A exposição pode ser apreciada também pelo site performatividadesdrag.com.br.

A organização do DIGO espera que a programação do festival como um todo toque os corações, quebre a rima histórica de repressão e ódio ao diferente.

SERVIÇO

DIGO 2021 – Festival Internacional de Cinema da Diversidade Sexual e de Gênero de Goiás

Quando: 3 a 9 de junho de 2021
Onde: www.digofestival.com.br e Facebook
Quanto: evento gratuito
Censura: 18 anos

Recomende este conteúdo aos seus amigos nas redes sociais e acompanhe a Factual no FacebookTwitter e Instagram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui