Aprovado aumento da passagem de ônibus em Goiânia e Região Metropolitana para R$ 4,30

Reajuste foi definido em votação na Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC) e já passa a valer a partir da próxima sexta-feira (19)

0
plano emergencial para o transporte público, transporte público coletivo, transporte público coletivo Goiás, governo de Goiás, plano emergencial, aumento da passagem de ônibus em Goiânia, tarifa do transporte coletivo, Goiânia, reajuste, Câmara Deliberativa de Transporte de Coletivo (CDTC), Transporte coletivo será paralisado, Transporte coletivo será paralisado em Goiânia, paralisação Transporte coletivo Goiânia, paralisação citybus Goiânia, transporte coletivo Goiânia
Foto: reprodução/RMTC Goiânia

A Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC) definiu, na manhã desta quarta-feira (17), o aumento da tarifa do transporte coletivo, que vai passar dos atuais R$ 4 para R$ 4,30. O acréscimo de 30 centavos representa um reajuste de 7,5% e já passa a valer a partir das 5 horas da próxima sexta-feira (19).

A reunião ocorreu no salão nobre do Paço Municipal e contou com nove dos 11 membros que compõe a CDTC, entre eles, o prefeito de Goiânia, Iris Rezende. Sete deles votaram a favor do aumento. O vereador Lucas Kitão (PSL), representante da Câmara Municipal de Goiânia na Comissão, e o deputado estadual Alysson Lima (PRB), representante da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), votaram contrários à medida.

Melhorias

O presidente da Câmara Deliberativa de Transporte de Coletivo (CDTC) e prefeito de Trindade, Jânio Darrot, disse que o órgão se reunirá nos próximos dias para deliberar sobre uma série de melhorias, condições e metas para que as empresas cumpram.

Ele considera injusto o reajuste no preço da tarifa, mas ressalta que uma decisão teria que ser tomada. Segundo observa, caso optassem pelo veto ao aumento “iríamos quebrar o contrato, o que poderia estabelecer o caos ainda maior no sistema, na medida em que as empresas apresentam números que registram prejuízos”, diz Darrot.

De acordo com o prefeito, o aumento na tarifa é previsto nas leis de licitações e de concessões. “O reajuste é automático, ocorre anualmente no mês de dezembro e já deveria ter sido implantado”, informa.

Jânio explica que a decisão da CDTC visa dar um “voto de confiança” para as empresas, a fim de que empreendam melhorias substanciais no transporte da Região Metropolitana de Goiânia que garantam dignidade para os usuários. Ele defende mudanças estruturais que possam modernizar o sistema, coibir a superlotação e prestar serviços de qualidade.

Membros da CDTC durante reunião que definiu o reajuste da tarifa do transporte coletivo, na manhã desta quarta-feira (17). Foto: Iris Roberto.

União

O prefeito de Trindade informou que a medida imediata é a união da CDTC com a Companhia Municipal de Transportes Coletivos (CMTC) para cobrar melhorias junto às empresas. “Isso significa que teremos um órgão realmente forte, porque existe hoje uma dualidade e ninguém sabe quem manda efetivamente na gestão do transporte público da região metropolitana”, afirma Jânio.

“A CMTC é o braço executivo que faz a fiscalização, tem os técnicos para análise de planilhas e executa todo o acompanhamento do sistema”, explica o prefeito. “A CDTC é um órgão deliberativo, que só se reúne quando convocado para deliberar. E, infelizmente, isso só acontece no dia de decidir sobre reajuste na tarifa, porque o órgão tem essa obrigação”, observa.

Jânio acrescenta que, como presidente da CDTC, coube coordenar a reunião de aumento da passagem de ônibus. “Mas, durante vários meses, conversei com todos os envolvidos no órgão com o objetivo de melhorar o transporte público”, afirma. “A CDTC não pode mais ser somente um órgão de aumento de passagem de ônibus, deve ser também de fiscalização e cobrança das melhorias do transporte público”, reitera o prefeito.

Eixo Anhanguera

Jânio também adiantou que o prefeito Iris Rezende (MDB), juntamente com o governador Ronaldo Caiado (DEM), assinaram uma carta de intenção em que o Estado irá devolver à prefeitura de Goiânia a concessão do Eixo Anhanguera. Dessa forma, poderá ser feita uma nova licitação para que seja reestruturado e modernizado.

A CDTC é composta por 11 integrantes que representam os municípios da região metropolitana, mais a Companhia Metropolitana do Transporte Coletivo (CMTC), Secretaria Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade de Goiânia (SMT), Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), representantes da Câmara Municipal e Assembleia Legislativa.

Recomende este conteúdo aos seus amigos nas redes sociais e acompanhe a Factual no FacebookTwitter e Instagram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui