Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro Oswaldo Stival e Edith é inaugurado em Nova Veneza

Espaço oferece um memorial da história da imigração italiana no Centro-Oeste e reproduz cenários de Veneza em sua fachada. Local está aberto para visitação gratuita e terá o espetáculo Dança das Luzes como atrativo aos fins de semana

0
Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro Oswaldo Stival e Edith, Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro, Nova Veneza, Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro, Nova Veneza, Oswaldo Stival e Edith
Inauguração do Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro Oswaldo Stival e Edith. Foto: João Paulo Balestra

Foi inaugurado no último sábado, 5 de março, em Nova Veneza, cidade a cerca de 30 km de Goiânia, o Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro Oswaldo Stival e Edith. O espaço oferece um memorial com resgate histórico da maior ocupação italiana no Centro-Oeste, além de ser um novo atrativo turístico para a cidade com a reprodução cenográfica, em sua fachada, de cenários de Veneza, terra de onde partiram os imigrantes que chegaram a Goiás por volta de 1910.

O memorial do Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro Oswaldo Stival e Edith reúne objetos históricos dos ascendentes italianos do casal, que ajudam a fazer um resgate da imigração italiana no Centro-Oeste. Um rádio, modelo Philips 313 A, fabricado na Alemanha no fim da década de 1930, pertenceu ao pai de Oswaldo, João Batista Stival, e poderá ser visto. Foi por ele que a família passou a ter notícias da Segunda Guerra Mundial na Europa, a mais de 9 mil km de distância.

O memorial conta também com o primeiro telefone instalado em Nova Veneza, em 1939, justamente pela família Stival. O modelo do aparelho é um Kellogg, todo de madeira, fabricado por volta de 1930. Uma máquina de escrever da marca Remington, da década de 1930, também chama a atenção, pois foi por ela que a família começou a organizar os trabalhos com a lavoura.

Objetos como garruchas (armas), espada, navalha alemã da marca Solingen, modelo La cabeza, prendedor de papel de bronze, em estilo vitoriano antigo, e strop de madeira para amolar e afiar facas/navalhas, fazem parte do museu e mostram como era a vida em Goiás naquela época. A família passou a plantar lavouras e criar gado em meio à falta de segurança que predominava, pois não existia, até então, estrutura do poder público para impedir disputas, e as pessoas precisavam se proteger e seus pertences.

Uma boneca italiana de mais de 100 anos faz parte do acervo. Ela foi presente que Edith ganhou da avó Tereza Zanini Peixoto, além de um antigo cabideiro de madeira, uma tesoura antiga de alfaiate da marca francesa Vitry Freres e cartões postais da França, que eram herança de família.

Oswaldo Stival e Edith em frente à fachada do Instituto Cultural que reproduz Palazzo Ducale. Foto: João Paulo Balestra

Funcionamento

O funcionamento do Instituto Cultural Ítalo-Brasileiro Oswaldo Stival e Edith ocorre de terça a domingo, gratuitamente para a população. De terça a domingo, estará aberto para visitação das 14 às 18 horas. Aos sábados, o memorial abre de 9 às 12 horas e das 15 às 19 horas. Domingo, as visitas podem acontecer de 9 às 13 horas.

Aos finais de semana, a dança das luzes acontecerá às sextas-feiras e sábados, em duas sessões: às 20h40 e às 21 horas e, aos domingos, às 20h30.

O instituto fica situado ao lado da Praça Matriz da cidade, na Avenida Vereador José Francisco Silva, número 396, Casa 01, no Setor Central.

Mais informações: @instituto_oswaldostivaledith

Recomende este conteúdo aos seus amigos nas redes sociais e acompanhe a Factual no FacebookTwitter e Instagram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui