Após nova reunião da categoria, paralisação de motoristas do transporte coletivo em Goiânia é encerrada

Sistema voltará a operar normalmente nesta segunda-feira (21), informou a RMTC

0
paralisação de motoristas do transporte coletivo em Goiânia, transporte coletivo em Goiânia, paralisação de motoristas, paralisação do transporte coletivo em Goiânia, transporte coletivo Goiânia, onibus-transporte-coletivo-goiania-foto-vinicius-martins
Foto: Vinicius Martins/Revista Factual

Na tarde deste domingo (20), após nova reunião realizada entre empresas que operam o transporte público e funcionários, foi definido que a paralisação de motoristas do transporte coletivo em Goiânia será encerrada e o sistema voltará a operar normalmente nesta segunda-feira (21). A informação foi divulgada por meio de comunicado da Rede Metropolitana do Transporte Coletivo (RMTC).

Segundo a nota, “com a sensibilidade dos trabalhadores aos esforços das empresas, chegou-se a um entendimento pelo fim da paralisação”, com a garantia dos pagamentos em atraso. A proposta aceita pelos funcionários contempla o pagamento do 13º salário em até quatro parcelas. Os salários do mês de novembro que ainda não foram pagos, serão quitados ainda no decorrer desta semana e o pagamento de dezembro com vencimento em janeiro, será pago no decorrer do mês de janeiro de 2021, conforme o acordo.

“Conseguimos chegar a um acordo, mais uma vez por esforço das concessionárias do sistema, para que a população não fique sem transporte neste final de ano. As empresas vão manter a priorização para o pagamento dos funcionários, com isso, tendo que sacrificar outros pagamentos de insumos e fornecedores, até mesmo de óleo diesel, exigindo que elas montem uma operação emergencial nos próximos dias, até que seja dada uma solução para a grave crise que assola o setor, não somente na Região Metropolitana de Goiânia, mas em todo o Brasil”, declarou o presidente do SET, Adriano Oliveira.

De acordo com o comunicado, as negociações foram feitas diretamente com os funcionários das empresas, que foram os reais articuladores e responsáveis pela paralisação. O SET afirma que a proposta aceita foi a mesma apresentada ao SindColetivo, negada pelo sindicato há cerca uma semana.

Recomende este conteúdo aos seus amigos nas redes sociais e acompanhe a Factual no FacebookTwitter e Instagram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui