Simulador para cálculo do IPTU 2022 de Goiânia está disponível

Principal mudança no cálculo do tributo é o critério para a aplicação da alíquota, que passa a ser o valor venal do imóvel, conforme o novo Código Tributário do município

0
IPTU 2022 de Goiânia, IPTU 2022, IPTU Goiânia, simulador IPTU Goiânia, simulador IPTU Goiânia 2022, novo decreto em Goiânia, decreto em Goiânia, novo decreto Goiânia, decreto Goiânia, novo decreto, Refis, Prefeitura de Goiânia anuncia Refis, Programa de Recuperação Fiscal, Refis Goiânia, Goiânia Refis
Foto: divulgação/Secom Goiânia

A Prefeitura de Goiânia disponibilizou aos contribuintes o simulador para cálculo do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) referente ao ano de 2022. Para fazer a simulação, basta o cidadão acessar o Portal de Serviços disponível no site, clicar no link referente ao simulador e digitar o número da inscrição do imóvel.

Desenvolvido pelas secretarias de Inovação, Ciência e Tecnologia (Sictec) e Finanças (Sefin), o simulador apresenta os valores do IPTU dos últimos cinco anos, o valor do imposto no exercício de 2022 com base no código tributário antigo e o valor reajustado para o ano de 2022, com base no novo Código Tributário, aprovado em setembro deste ano. É informado, também, se foi necessária a aplicação do limitador de 45% para os imóveis com aumento no valor do imposto.

“O simulador foi pensado de forma a simplificar ao máximo as informações aos cidadãos, dando clareza e transparência aos dados, de acordo com a base de cálculos disponibilizada pela Sefin”, explica o secretário da Sictec, André Martins. O titular da pasta destaca ainda que foi disponibilizado um campo de observações, com explicações detalhadas sobre os caminhos percorridos para chegar aos resultados.

Tela do simulador para cálculo do IPTU 2022. Foto: divulgação/Secom Goiânia

Novo Código Tributário

O simulador é um dos instrumentos da Prefeitura que ajudará o contribuinte a compreender como ficará o IPTU a partir de 2022 com o Novo Código Tributário, projeto aprovado no final de setembro e que moderniza a legislação atual, que é de 1975. A principal mudança no cálculo do tributo é o critério para a aplicação da alíquota, que passa a ser o valor venal do imóvel. Antes, tal critério era pela localização do imóvel conforme quatro zonas fiscais.

“Essa mudança promove justiça tributária e social. O novo código corrige distorções como a da mesma alíquota do imposto ser aplicada para um contribuinte que mora em uma casa de alto valor e para outro que mora em uma residência de menor valor porque os dois residem em uma mesma região da cidade”, explica o secretário-executivo da Secretaria de Finanças, Lucas Morais.

No novo código, o valor venal corresponde à soma do valor da edificação e do valor do terreno. Para obter o valor da edificação, a Prefeitura estabeleceu como critérios o metro quadrado por tipo de imóvel, o padrão construtivo (por exemplo: tipo de piso, revestimento interno e externo e acabamento) e o estado de conservação do imóvel, que pode ser classificado como ‘bom’, ‘regular’ ou ‘ruim’.

Recomende este conteúdo aos seus amigos nas redes sociais e acompanhe a Factual no FacebookTwitter e Instagram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui