Confirmado: Zika vírus tem ligação com casos de Microcefalia

0
zika-microcefalia

A epidemia de microcefalia, que ocorre no Nordeste e em outras regiões do país possui relação comprovada com o zika vírus. O Ministério da Saúde confirmou a ligação entre os casos e investiga as mortes de seis crianças que nasceram portando a doença, possivelmente causada pelo vírus. Há ainda a apuração de 1.248 casos suspeitos da anomalia registrados em 311 municípios, conforme informações do diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch. A identificação foi possível com base em amostras de sangue de um bebê nascido no Ceará que morreu vítima da doença e outras malformações congênitas. As amostras continham a presença do vírus.

O estado de Pernambuco é o que registra a maior parte das notificações do surto (646). Em seguida vem Paraíba (248), Rio Grande do Norte (79), Sergipe (77), Alagoas (59), Bahia (37), Piauí (36), Ceará (25), Rio de Janeiro (13), Tocantins (12), Maranhão (12), Goiás (2), Mato Grosso do Sul (1) e Distrito Federal (1). O Ministério da Saúde constatou também uma morte associada ao zika: de uma garota de 16 anos em Benevides, no Pará. A menina morreu no mês passado, com suspeita de dengue.

[otw_shortcode_divider margin_top_bottom=”30″ text=”ENTENDA” text_position=”otw-text-center”][/otw_shortcode_divider]

O zika vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti. O inseto também é responsável pela transmissão da dengue e da chikungunya. A microcefalia é decorrente de infecção causada pelo vetor (no caso, o Aedes aegypti) à mãe ainda no primeiro trimestre da gestação – período em que o cérebro da criança está em formação.

O Ministério da Saúde conclamou estados e municípios para combater o mosquito. Há ainda a autorização do governo federal para a liberação de recursos emergenciais no combate ao zika. Vale relembrar que as medidas preventivas que já conhecemos visando à eliminação do mosquito da dengue, como evitar o acúmulo de água parada, também são efetivas para este novo surto, sabendo-se que o transmissor é o mesmo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui