Senado aprova legalização do aborto na Argentina

Projeto recebeu 38 votos favoráveis, 29 contrários e 1 abstenção. Interrupção Voluntária da gravidez passa a ser permitida no país até a 14ª semana de gestação

0
legalização do aborto na Argentina, legalização do aborto, legalização do aborto Argentina, Senado legalização do aborto Argentina, legalização aborto Argentina
Sessão no Senado argentino que aprovou projeto de legalização do aborto no país. Foto: Charly Diaz Azcue/Comunicación Institucional

Após mais de 12 horas de debate, o Senado da Argentina aprovou, na madrugada desta quarta-feira (30), a legalização do aborto. A lei foi aprovada em votação que obteve 38 votos favoráveis, 29 votos contrários e 1 abstenção. Com isso, a interrupção voluntária da gravidez passa a ser permitida no país até a 14ª semana de gestação.

Na ocasião, também foi aprovado o chamado ‘Plano de 1000 dias’, que dispõe sobre a atenção e cuidado integral à saúde durante a gravidez e à primeira infância. Entre as propostas do programa, está um auxílio gravidez a ser pago à gestante da 12ª semana de gestação até o final da gravidez. O intuito é evitar abortos em virtude de questões econômicas.

A interrupção voluntária da gravidez será realizada mediante consentimento da pessoa gestante expressa por escrito, de acordo com a lei 26.529 e com o artigo 59 do Código Civil e Comercial argentino. Após a solicitação, o procedimento deverá ser realizado pelo sistema de saúde em um prazo máximo de 10 dias corridos.

De acordo com o artigo 10 do texto, profissionais de saúde tem o direito de exercer a objeção de consciência, caso não concordem em participar da interrupção da gravidez. Neste caso, a paciente deverá ser encaminhada a outro profissional disponível para receber o atendimento, que é garantido pela nova lei.

No entanto, a recusa não poderá ocorrer caso a vida ou a saúde da pessoa grávida estejam em perigo e haja necessidade de atendimento urgente. Também não é possível alegar objeção de consciência para se recusar a prestar cuidados de saúde no período pós-aborto.

Entre os direitos das pessoas grávidas que desejarem interromper a gravidez estão: tratamento digno, com respeito às convicções pessoais e morais da paciente, cujo objetivo é erradicar práticas que perpetuam o exercício da violência contra as mulheres e pessoas com outras identidades de gênero com capacidade de gestação; privacidade; dignidade humana; autonomia da vontade; proteção do sigilo; respeito ao direito à privacidade e à confidencialidade, especialmente de meninas e adolescentes.

As decisões do paciente também não devem ser submetidas a julgamentos derivados de considerações pessoais, religiosas ou axiológicas (referentes à valores) por parte dos profissionais de saúde, devendo prevalecer sua vontade e autonomia.

Comemoração

A aprovação foi comemorada por feministas engajadas com a causa e pelo presidente da Argentina, Alberto Fernández, que publicou em seu perfil no Twitter: “O aborto seguro, legal e gratuito é lei. Prometi fazê-lo em dias de campanha eleitoral. Hoje somos uma sociedade melhor, que amplia os direitos das mulheres e garante a saúde pública.”

Até então, a lei que vigorava desde 1921 no país considerava o aborto crime. A prática só era permitida em casos como estupro ou risco de vida à gestante.

Recomende este conteúdo aos seus amigos nas redes sociais e acompanhe a Factual no FacebookTwitter e Instagram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui