Ratos de Porão celebra 25 anos do Anarkophobia neste sábado, no Martim Cererê

0
ratos-de-porao

Neste fim de semana o Ratos de Porão volta a Goiânia para comemorar os 25 anos de um dos discos mais importantes da trajetória da banda. Lançado em 1991, Anarkophobia é o quinto disco da banda e marcou uma mudança na sonoridade do Ratos, com mais influências do thrash metal/crossover, mas mantendo suas raízes punk e hardcore. No show, sábado no Martim Cererê, o Ratos tocará o disco na íntegra, numa noite que contará ainda com as bandas goianas Chef Wong’s, Diabo Velho, Dead Meat, Lattere e os brasilienses Os Cabeloduro. O show faz parte do projeto Monstro Rocks, promovido todos os meses pela produtora goiana Monstro Discos.

O ano de 1991 foi marcante para o rock mundial. Naquele ano foram lançados discos fundamentais como Nevermind, do Nirvana, o “álbum preto” do Metallica e Arise, do Sepultura. No entanto, no Brasil, a realidade era bem diferente. Há 25 anos, o País era o retrato do caos: o sertanejo dominava as rádios e TVs e Fernando Collor estava no poder, confiscando poupanças e lançando planos econômicos para tentar controlar uma inflação absurda. A Aids fazia vítimas ilustres e igrejas evangélicas cresciam prometendo o paraíso, mas desde que você pagasse por isso. O cenário era perfeito para para um dos discos mais furiosos da história do país surgir. Com riffs trabalhados no punch e distorção no pico, o RDP levantou o dedo médio do inconformismo e nele hasteou a bandeira da desgraceira para alegria dos fãs e desespero da sociedade.

Para muitos fãs, Anarkophobia é um divisor de águas na carreira do Ratos por possuir uma maior influência do thrash. Em recente entrevista ao site Rock on Board, o guitarrista Jão disse que a maior importância do álbum se dá pelo motivo de ser o último trabalho em seqüência de uma formação que marcou história. “Este disco representa o final de uma era importante em nossa carreira. Não sei se podemos dizer que ele é um divisor de águas no aspecto musical. Mas ele é certamente o último de uma fase muito relevante para o Ratos”.

Em Anarkophobia, a tendência ao metal é evidente. Tanto que foi um disco aclamado na cena banger. Músicas como “Contando os Mortos” e principalmente “Mad Society” trazem os riffs clássicos do gênero, com uma levada mais arrastada que o habitual do Ratos. Para Jão, o fato das músicas serem mais longas, acabou influenciando no resultado final do trabalho. “É evidente que teve uma mudança ali em nossa sonoridade. As músicas tinham uma maior duração, e isso acabou fazendo dele um disco único em nossa discografia”. Mesmo assim, o punk continuava presente na mensagem do grupo. É impressionante como algumas letras ainda soam tão atuais. Caso de “Igreja Universal” e “Escravo da T.V.”, que até hoje são temas polêmicos nas redes sociais. O guitarrista, no entanto, não vê isso com muita empolgação. “É triste que as letras ainda continuem atuais nos dias de hoje. Isso só mostra que o Brasil parece não ter evoluído tanto. Alguns acontecimentos recentes provam que ainda estamos vivendo um período de alienação completa e lamentável”.

Toda essa fúria de Anarkophobia será executada na íntegra no show de sábado. Mas o repertório também contará com outros dos maiores hinos do Ratos de Porão. Então, prepare-se para uma noite de muito rock. A seguir, confira o serviço.

[otw_shortcode_divider margin_top_bottom=”30″ text=”SERVIÇO” text_position=”otw-text-center”][/otw_shortcode_divider]

monstro-rocks-ratos-de-porao

Ratos de Porão – Anarkophobia 25 anos
Abertura: Chef Wong’s, Diabo Velho, Dead Meat, Lattere e Os Cabeloduro

Data: Sábado, a partir das 20 horas
Local: Centro Cultural Martim Cererê (Rua 94-A, Setor Sul)
Ingressos: R$ 25,00 (antecipado) e R$ 30,00 (na bilheteria)
Pontos de venda: Hocus Pocus, Shuffle Mix, Seven Rock Shop e Detroit Steakhouse
Vendas online: https://meubilhete.com/rdpanarkophobia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui