Morre Marcelo Yuka, fundador d’O Rappa, aos 53 anos, no RJ

Músico e compositor apresentava quadro de infecção generalizada e estava em coma induzido após sofrer AVC (acidente vascular cerebral) pela segunda vez

0
Marcelo Yuka, O Rappa, morreu, Rio de Janeiro, músico
O músico e compositor Marcelo Yuka. Foto: divulgação.

Marcelo Yuka, músico e compositor, renomado por ser um dos fundadores da banda O Rappa morreu na noite desta sexta-feira (18), aos 53 anos, no Rio de Janeiro. A informação foi confirmada no início da madrugada deste sábado (19) pelo Hospital Quinta D’or, onde ele foi internado no fim do ano passado.

Em estado grave, Yuka estava em coma induzido e apresentava um quadro de infecção generalizada após sofrer um segundo acidente vascular-cerebral (AVC). O primeiro ocorreu no meio do ano passado.

Trajetória

Yuka, cujo nome de registro é Marcelo Fontes do Nascimento Viana de Santa Ana nasceu no Rio de Janeiro, em 31 de dezembro de 1965. Entre suas principais composições estão hits d’O Rappa como Todo Camburão tem um Pouco de Navio Negreiro, Me Deixa, Minha Alma (A Paz que Eu Não Quero) e Pescador de Ilusões.

Em novembro de 2000, o músico ficou paraplégico após ser atingido por nove tiros ao tentar impedir um assalto a uma mulher na Tijuca, Zona Norte do Rio. Apesar do ocorrido, Yuka só saiu d’O Rappa em 2001, expulso, segundo ele, em razão de diferenças criativas. Durante o período em que permaneceu na banda, foi baterista e o principal compositor.

A banda O Rappa. Da esquerda para a direita: Marcelo Falcão (vocal), Xandão (guitarra), Marcelo Lobato (teclados), Marcelo Yuka (bateria) e Lauro Farias (baixo).

Com a saída da banda, Yuka montou o F.U.R.T.O. (sigla para Frente Urbana de Trabalhos Organizados). O trabalho musical era parte de um projeto social e mantinha semelhanças ao estilo do Rappa, inclusive em termos de críticas sociais difundidas pelo músico.

Marcelo Yuka também se arriscou na carreira política. Ele foi filiado ao PSOL durante oito anos, chegando até mesmo a concorrer a vice-prefeitura do Rio de Janeiro na chapa de Marcelo Freixo, em 2012.

Seu último lançamento foi o disco Canções para depois do ódio (2017), primeiro álbum solo do artista. A sonoridade uniu batidas eletrônicas e ritmos afro. Resultante de uma parceria entre Yuka e o produtor e DJ Apollo 9, o trabalho contou com as participações de Céu, Seu Jorge, Cibelle e Bukassa Kabengele.

Confira a seguir, um pouco da performance de Marcelo Yuka nos tempos d’O Rappa, em vídeo da música Me Deixa:

Recomende este conteúdo aos seus amigos nas redes sociais e acompanhe a Factual no FacebookTwitter e Instagram.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui